A revista Bons Fluidos entrevistou Adriana Thomaz sobre o Luto.

BONS FLUIDOS: O que é o luto?

Adriana Thomaz: Um processo que decorre do “rompimento” de um vínculo, de um laço afetivo. Coloco a palavra rompimento entre aspas porque o luto é um tempo de reconstrução da identidade e da vida. Um tempo de descoberta de uma forma de restabelecer o vínculo rompido, de desenvolver a ideia de que, na verdade, o vínculo é contínuo por meio do eterno sentido e amor daquela pessoa na vida de quem ficou.

BF: Como o luto deve ser vivenciado?

AT: Há várias formas, já que o luto de cada pessoa é singular e não obedece a um padrão. Eu penso na elaboração do luto como uma forma de reorganizar o sistema familiar, pois o luto não é feito apenas de choro e lamentação. Também encorajo o enlutado a viver cada fase desse processo de forma coerente, expressando seus sentimentos, pensamentos e emoções e adaptando-se à nova realidade por meio de autoconhecimento e contínuo aprendizado. São comuns os sentimentos de dor, impotência, raiva, angústia, medo, tristeza, revolta, mas também de lampejos de alegria. O importante é compreender que não há nada de errado com nenhum dos sentimentos experimentado.

BF: O momento mais crítico do luto são os primeiros meses?

AT: O luto é um processo, e não um estado ou um evento isolado. Isso é muito importante. Não é um conjunto de sintomas que surgem depois de uma perda e que tendem a desaparecer com o tempo. Os primeiros meses nem sempre são aqueles em que a tristeza profunda predomina porque muitas vezes “a ficha não caiu”, a rotina ainda não se estabeleceu mostrando claramente a ausência, a saudade, a falta. Essa tristeza precisa ser manejada adequadamente, por intermédio de recursos internos ou externos, a qualquer momento, independentemente de quanto tempo se passou desde a morte.

BF: Quais são as fases do luto?

AT: O luto é um processo intenso, com uma sucessão de fases que se mesclam e se substituem. Na primeira fase (choque e entorpecimento), as pessoas têm dificuldade em compreender e acreditar que a morte tenha acontecido – é como se fosse um pesadelo –, apesar de os momentos de desespero e dor se intercalarem. Na segunda fase (anseio e busca), elas podem se recusar a reconhecer a perda e tentar fazer as coisas voltarem a ser como eram antes da morte. Podem procurar o falecido, tentando “trazê-lo de volta” ao se recusar a permitir, por exemplo, que os pertences dele sejam removidos. Não quero dizer com isso que os pertences devem ser removidos de um momento para outro. As reações (fases) têm de ser respeitadas. Quando o indivíduo percebe que o retorno da pessoa, com vida, é impossível, os sentimentos de frustração e raiva podem vir à tona. Nessa fase (desorganização e desespero), a pessoa se distrai facilmente, tem dificuldade para se concentrar e pode tornar-se profundamente triste. É quando o enlutado se dá conta de que o falecido não está voltando, e esse reconhecimento deixa alguns indivíduos confusos, com medo e incertos sobre seu futuro. Na última fase (reorganização e recuperação), o enlutado percebe que consegue tocar a vida, apesar da saudade. Mas fica um alerta: nem todos se movem por essas fases na sequência aqui descrita.

BF: Quanto tempo dura o luto?

AT: Varia muito, pois depende de vários fatores, como a qualidade da relação da pessoa com o falecido, da personalidade e da idade do enlutado e da forma da morte. Costumo dizer que o luto geralmente dura um ano, justamente porque nesse período a pessoa poderá elaborar a própria situação e se reorganizar psiquicamente, bem como reinvestir seu afeto e ressignificar a vida, uma vez que atravessa pela primeira vez as datas significativas sem a pessoa perdida.

BF: É verdade que com a morte vem o sentimento de culpa?

AT: Algumas pessoas tendem a “personificar” a morte e procuram alguém para culpar. Existe também a culpa pela sobrevivência, ou seja, a pessoa pode se sentir culpada por ter sobrevivido. Algumas mulheres ficam com raiva do marido falecido por não ter ido procurar o médico quando os primeiros sinais e sintomas da doença fatal começaram, ao passo que outras podem culpar Deus ou qualquer outra entidade de natureza extracorpórea pela morte.

BF: Como as pessoas devem pensar e agir para não sentir essa culpa?

AT: Muitas vezes, dizer para a pessoa “não se sinta culpada, você não é culpada” não será suficiente. Em geral, podemos descobrir a razão mais profunda desse sentimento de culpa ouvindo o enlutado com bastante atenção. Frequentemente as pessoas se culpam por ressentimentos verdadeiros com o falecido. Quem, num momento de raiva, já não desejou que alguém desaparecesse, sumisse do mapa? Então, é importante ouvir de maneira apurada, sem censurar, sem ter a pretensão de fazer a pessoa se sentir “ótima” a todo custo, sem tentar fazer a pessoa se livrar, de um momento para outro, do sentimento que ela experimenta.

BF: Como as pessoas próximas aos enlutados devem agir?

AT: Cada pessoa sofre de um jeito e fica enlutada de uma forma muito particular. A verdade é que, por mais que já tenhamos vivido a dor de nossas perdas, precisamos de humildade para reconhecer que o outro sentirá a própria dor de uma forma diversa da nossa. Comentários como: “eu sei muito bem o que você está passando”, “você vai conseguir porque é forte e guerreiro”, “pare de chorar, você precisa ficar bem para sua família”, “seu filho não gostaria de vê-lo sofrendo” são inadequados e as pessoas de luto podem sentir-se profundamente angustiadas por ouvir essas frases e pensar que devem aceitá-las como verdades absolutas. Devemos oferecer nosso apoio, nossa atenção e escuta amorosa e paciente, sem lhes dizer o que fazer, sem lhes dar conselhos fáceis e receitas prontas. Não adiantará nada tentarmos abafar a dor. A dor ficará soterrada e precisará vir à tona em algum momento. As pessoas precisam de tempo para que voltem a acreditar no valor da vida, do amor, da solidariedade. Quem passa pelo luto precisa de uma rede de apoio. Sempre pergunto ao enlutado com quem ele pode contar. Sugiro que ponha nomes e telefones num papel e o carregue consigo. Há também a ajuda de profissionais especializados, a ajuda de organizações voltadas para o suporte e o apoio a pessoas enlutadas e a ajuda espiritual.

BF: Onde procurar ajuda especializada?

AT: Há diversas formas de ajuda oferecidas por organizações não governamentais e grupos de entreajuda com voluntários treinados para o aconselhamento a pessoas enlutadas, independentemente de como ou quando a morte tenha acontecido. No Rio de Janeiro e em Curitiba, há a organização Amigos Solidários na Dor do Luto.

BF: Como matar a saudade de uma pessoa que não está mais presente fisicamente?

AT: A vida nunca mais será a mesma depois de um luto, mas o sofrimento e a dor tendem a diminuir e vai chegar um momento em que o indivíduo será capaz de se adaptar para lidar com a vida sem a pessoa amada. Muitos ficam preocupados, pensando que vão esquecer a pessoa que morreu: seu olhar, sua voz, seus bons momentos juntos. Há muitas maneiras de manter sua memória viva: conservar suas lembranças especiais e sustentar a alegria quando ela vier; escrever suas memórias em um diário ou agenda; criar um álbum de fotos… Datas significativas simbolizam a eternização, a continuidade da vida, o vínculo contínuo e eterno com aqueles que amamos: ritualize da sua forma. Nas fases iniciais do luto, é possível que essas datas especiais sejam muito difíceis para o enlutado, mas se ele sentir vontade pode produzir um legado realizando atividades significativas. Pode ser um ritual bem simples, como usar a cor preferida do falecido ou a sua ou uma flor, uma comida, um lugar.

BF: Como os enlutados devem agir com as crianças?

AT: Na maioria das vezes, tanto a criança pequena quanto a maior percebem a maior parte dos fatos que os adultos tentam esconder, mesmo que elas não se expressem por meio de palavras. Apelam, às vezes, para jogos, desenhos ou brincadeiras como forma de expressar seu sofrimento e denunciar seu medo, ou melhor, sua pouca compreensão da morte. Quando a omissão da realidade sobre a morte ocorre, para “poupar a criança do sofrimento”, ela quase sempre capta a tristeza e a ansiedade dos adultos, mesmo que eles tentem fingir que está tudo bem. Não raro, elas se sentem culpadas porque pensam que elas são a origem daquele sofrimento. Meu trabalho terapêutico tem finalidade educativa, ou seja, tenho ajudado pais e crianças a lidar com a nova realidade da morte e a atravessar o luto juntos, respeitando o limite da criança, claro, mas estimulando que ela participe dos rituais se assim desejar e tenha seu luto validado, reconhecido e acompanhado de perto pela família. Cada criança tem conceitos e imagens diferentes sobre a morte e o morrer, que devem ser levados em consideração, promovendo uma comunicação efetiva. Muitos recursos podem ser usados para falar da morte, como histórias infantis, teatro, desenhos, jogos. O importante é que a criança encontre espaço para expressar a perda, assim como os adultos que cuidam dela.

BF: Qual é o melhor momento para decidir sobre o que fazer com as roupas e outros pertences do morto?

AT: Por desconhecimento e pouca educação para a morte, muitas famílias na nossa sociedade têm doado os pertences de seus entes queridos falecidos e lamentam, após o ato, quase sempre irrefletido, por terem se desfeito de tudo tão depressa. Assim, agir por impulso, nos primeiros momentos, pode não ser a melhor opção. O importante é pensar com cuidado e calma a respeito dessas questões. Muitas vezes ajudo meus pacientes a decidir quando é o momento, o que e quando fazer com os pertences de seu ente querido.

BF: É normal que o enlutado sinta vontade de se divertir, passear e namorar durante esse período?

AT: Pode se tratar de uma negação da perda, mas também pode ser uma reação imediata de tentativa de recuperar a identidade, colocar as coisas no lugar que sempre tiveram, por exemplo. Se isso não for exagerado e se paralelamente a pessoa encontra momentos para expressar sua dor, devemos observar sem interferir. Por outro lado, considero muito importante que os profissionais de saúde aprimorem o olhar para reações inibidas ou adiadas do enlutamento, quando se finge que nada aconteceu, ou quando as reações são extremamente desproporcionais, com a sensação de caos absoluto. Nesses casos, será necessária a intervenção de alguém responsável para essa finalidade.

BF: Tomar remédios, como antidepressivos, é indicado durante o período de luto?

AT: O luto é um processo normal, a tristeza não deve ser medicalizada. O enlutado precisará lidar com emoções dolorosas e que oscilam. Elas tendem a passar com o tempo, à medida que novos significados são construídos e o cotidiano é reorganizado. A medicação psiquiátrica com antidepressivos e/ou ansiolíticos é indicada para casos específicos, quando há quadros psiquiátricos que acompanham o processo, como transtornos de ansiedade ou depressão clínica.

BF: Como o casal deve agir diante da perda de um filho?

AT: A palavra é comunicação. No processo do luto, o casal pode encontrar uma extrema dificuldade em aceitar a forma diferente de enlutamento do parceiro, podendo haver também cobranças e mágoas relacionadas a uma possível culpabilidade mútua. A terapia do luto pode prevenir as perdas secundárias ao luto, como o divórcio, e “autorizar” que o sofrimento dos pais possa se manifestar de formas distintas. Por exemplo: o pai que precisa e deseja voltar ao trabalho, ao passo que a mãe precisa ficar mais tempo recolhida. Não há certo ou errado. Há o que é melhor para cada um, individualmente. E isso precisa ser negociado, arrumado, acordado e respeitado.

BF: É possível ser feliz novamente depois de uma perda tão especial, como a de um filho ou a dos pais?

AT: Compartilho minha opinião com um grande teórico, Alan Wolfelt, que resume: “A experiência do luto é poderosa. Assim também é sua capacidade para ajudar a curar a si mesmo. Ao viver o processo do luto, a pessoa está se movendo em direção a um renovado senso de significado e propósito em sua vida”. A elaboração do luto possibilita a construção desses significados novos, assim como a definição de novos propósitos na vida. Após a elaboração do luto, a pessoa não será mais a mesma. Será uma nova pessoa, com uma nova hierarquia de valores, com novos sentidos e perspectivas, mas, acima de tudo, será uma pessoa que poderá viver mais plenamente a vida. E é possível ser feliz novamente, muitas vezes num outro conceito de felicidade.

BF: Que mensagem você deixa para os pais, parentes e amigos que perderam alguém na tragédia em Santa Maria?

AT: Deixo uma mensagem de acolhimento, um abraço demorado e carinhoso antes de qualquer palavra. Lidar com uma tragédia de grandes proporções demanda uma abordagem muito diferente da realizada no luto normal, uma vez que o estresse, a sensação de destruição, de vida sem valor é muito mais intensa. Mas digo também que é possível voltar a ser feliz, por mais que neste momento não seja fácil acreditar nessa afirmação. É possível viver o luto e sair dele transformado. Este é o trabalho do luto: permitir que a pessoa enlutada passe de vítima para sobrevivente, que não apenas passe pelo luto, mas cresça por meio dele, que, como sobrevivente, não apenas sobreviva, mas reaprenda a viver plenamente.